Rabiscos.: O jeito certo de cometer suicídio.

POR JEUDI, DE RABISCOS EM NOVEMBRO 08, 2007

O jeito certo de cometer suicídio.

 

Eu fico pasma com as notícias que a gente costuma ler por aí, todo tipo delas. Tem cada coisa que acontece que mais parece piada inventada por um jornalista que não tinha mais sobre o que escrever, do que a pura realidade. Mas é a realidade. Esse mundo tá ficando cada vez mais doido (não sou só eu).

Mas enfim, não sei se vocês repararam, mas se matar tá na moda. Quer dizer, sempre esteve, mas por uma questão de ética, não se publica esse tipo de notícia em lugar nenhum, se matar é uma opção pessoal, a vida é sua, a morte também, e ninguém tem absolutamente nada com isso. Só que tem gente por aí que parece que tá se matando para chamar a atenção… não conseguem nem perder a própria vida de maneira discreta: tem que causar polêmica, receber os flashs, e virar estrelas (nem que sejam estrelas póstumas, como as estrelas – aquelas lá no céu, de verdade, que já morreram a zilhões de anos, mas só agora brilham).

 

Exemplo é o que não falta, como o caso daqueles adolescentes que morreram em acidente de carro, na Lagoa, quando saíram da boate, no ano passado (o motorista bebeu uma garrafa inteirinha de vodka e pegou o carro – depois não sabe porque morreu); como a perturbada que subiu no poste de alta-tensão e ficou dançando (ESSA FOI SENSACIONAL, não tive como não rir) e, por intervenção divina, não caiu (mas foi QUASE!); como o ladrão que pulou de uma ponte de 50 metros (CINQUENTA!!!) para FUGIR DA POLÍCIA e, ÓBVIO, bateu as botas; e, mais recentemente, aquele garoto de 17 anos que consumiu bebida alcóolica e tomou DEZ balas (comprimidos de ecstasy, não é bala juquinha não, por favor né) na Tribe, teve um troço e morreu (não quero voltar a discussão a respeito das raves não, todo mundo sabe muito bem o que eu penso – eu estava na rave e não morri!). PelamordeDeus, né, tá pedindo para morrer. Esse aí pelo menos foi bem sucedido, mas chamou tanta atenção que, graças ao irresponsável falecido, o local não vai receber mais eventos durante um bom tempo, além do circo todo que ele armou, né.

 

Outro dia, estava eu, feliz e contente, num ônibus lotado indo para a faculdade, passando pela ponte Rio-Niterói, ATRASADA, com um humor maravilhoso, eis que pego um grande engarrafamento, só para começar o dia bem. Motivo do engarrafamento: Uma mulher ameaçando se jogar do vão central. Nem sei se ela ainda esta viva para contar a história, mas, pelo tamanho do engarrafamento, ela enrolou tanto para pular que deve ter amarelado em cima da hora. Minha vontade, quando vi aquilo, era abrir a janela do ônibus e gritar: “PULA! PULA!” ou, quem sabe, ir pessoalmente lá dar um empurrãozinho a ela (literalmente).

 

Pensando nisso tudo, a amiga aqui resolveu dar uma ajuda aos problemáticos depressivos que não vêem mais a luz no fim do túnel e cogitam a possibilidade de suicídio, e criou o revolucionário MANUAL PARA O ALÉM. Simples e bem sucinto, ele é um conjunto de dicas que auxiliarão estas pessoas nesta hora tão trivial em suas vidas, de maneira rápida, prática, sem causar muita sujeita ou fofoca. Aqui vão algumas dicas:

 

1º passo: Decidir se matar.

A primeira coisa para cometer o suicídio é decidir se matar. Tenha motivos suficientes e convincentes para tal. Nada de “meu amor me deixou”, “fui demitido”, “minha vida não presta”, etc etc e etc. Seja original. Arranje um motivo pelo qual não valha MESMO a pena viver. E que seja um motivo interno, sem influencias externas pois, para desligar a máquina antes da hora, nada nem ninguém tem que meter o bedelho nesta história. Ela é sua com você mesmo. SUICÍDIO – retirar a própria vida; VOCÊ SE matar; auto-assassinato; entendeu?

 

Motivo escolhido, vamos ao próximo passo.

 

 

 

2º passo: Decidir COMO se matar.

Este é um passo muito importante. É seu último ato. O seuGrand finale. Então, que seja com estilo! E seja prático, não pense em fins muito caros, que façam muita sujeira, ou muito barulho.

CORTAR OS PULOS? NEM PENSAR! Isso é fichinha. É coisa de quem não quer morrer de verdade. Até porque, não funciona, a não ser que o corte seja bastante profundo e esteja em água corrente, para causar A hemorragia, saca? E além do mais, imagina sua mãe ter que limpar aquilo tudo? Descarte essa opção.

 

De maneira NENHUMA pule de prédios. Possivelmente você vai cair em cima de algo ou alguém, e vai dar o maior prejuízo a quem não tem nada a ver com sua vida (ou sua morte), além de traumatiza-las, assusta-las, e reunir um bando de curiosos em volta para ver seu corpo todo desfigurado. Até hoje não consigo entender como aquele garoto da UFRJ foi para UERJ pular do décimo segundo andar. Imagina, você na janela, conversando distraído, até que cai um corpo assim, bem na sua frente? Tá maluco! Seja sensato com a sua morte e com os outros que estão em volta. Pular de pontes, ou pedras, ou qualquer coisa que tenha água (ou nada) embaixo até é uma boa, se você não ficar enrolando. Nada de “eu vou pulaaaaaaaaaar hein” “Não me segura que eu puloooo!!!”, não.. chega de uma vez, grita “GERONIMOOOOOOO” no máximo, e vá com Deus. E seja rápido, se não você vai ficar com medo, e vai voltar ao passo 1.

 

Tomar remedinhos, produtinhos de limpeza.. arg, coisa de bicha! Se quiser ter overdose, aprenda com o moleque da rave: de 10 a 20 balas é perfeito. Mas faça isso dentro do seu quarto, de preferência, para não prejudicar a festa das outras 9.981 pessoas que estão lá para se DIVERTIR e não para se matar (descontei os 18 que passaram mal também). Com as químicas, você pode se sair mau sucedido e, no máximo, ir parar no hospital com uma puta intoxicação. Seja suicida porém inteligente.

 

Outra idéia estúpida é se tacar na frente de carros, ônibus, e adjacentes. Você pode ficar tretaplégico e não morrer. Cair de avião ou helicóptero também não é uma boa idéia. Não faça nada que alguém já tenha passado por isso e sobreviveu, é desanimador!

 

Enforque-se, caso tenha uma corda, tenha lugar para pendura-la, e SAIBA DAR AQUELE NÓ. Particularmente, eu não sei, nunca tentei, mas pelos filmes me parece ser MUITO complicado. Nozinho de sapato não serve não. Tem que ser um especial, e nisso não posso te ajudar.

 

Caso tenha uma arma, tiro na cabeça (ou na boca, pois explode o cérebro da mesma maneira, além de ser rápido). Só é meio barulhento, e não é todo mundo que tem uma 38 em casa, né. Mas eu considero o tiro a melhor maneira, junto com o veneno, igual Hitler fez.

 

Se você tiver acesso ao veneno, é uma boa. Mas tem que ser um veneno eficiente, de boa qualidade. Nem se importe se vai ser caro ou não, porque não vai ser você quem vai pagar seu próprio enterro e será seu ultimo investimento na vida. Se for veneninho de quinta categoria (como aqueles de rato, barata, ou armário da vovó), o que pode acontecer de mais grave com você é uma diarréia. Veneno bom é chiquérrimo! Grandes nomes da história e grandes personagens da literatura morreram assim (os da novela também. Imagina uma morte à lá Thais??? Produza-se linda(o) e bela(o), misture o veneno na sua bebida favorita, e pronto, não tem erro, fim da linha para você – e com muita classe, diga-se de passagem).

 

3º passo: Decidir QUANDO se matar.

Por favor, caro problemático, não venha fazer como a moça da ponte Rio-Niterói fez. Começo de semana, pela manhã, no único horário em que o trânsito fica consideravelmente bom, a mulher pára o transito para se matar, possivelmente por causa de um pé na bunda. Não faça isso JAMAIS! Os vivos e os que amam a vida ainda trabalham e estudam, pense neles! Escolha um horário propício, tipo, madrugada, ou o amanhecer. Escolha um lugar bonito ou especial, que você levaria com você por toda a eternidade. Faça do fim da sua vida, pelo menos, um pouquinho romântica, dramática, digna de cena de filme. Esteja calmo, e não se desespere, vai estragar a cena.

 

4º passo: Se despedir ou não se despedir? Deixar testamento ou não deixar testamento? Eis a questão..

Se você tem família, amigos, vizinhos, deixaria alguém triste ao saber da sua história ou com saudades ao saber que você partiu mais cedo, eu lhe aconselho a deixar sim algo escrito. Ou um presente. Ou qualquer coisa. Alguém se importa com você e, mesmo que você não se importe com ninguém, e não tenha herança boa para deixar no mundo, qualquer ultima palavrinha sua faria bem. Agora, se você não tem nada (nem para doar para caridade), nem ninguém, o outro lado te espera, vá logo e não enrola.

 

Agora é só respirar fundo, e ir com Deus (e que o diabo lhe carregue).

 

Mas minha última e mais importante dica é: há mil e umas maneiras de se matar infinitamente melhores do que todas essas idéias que dei aqui. Nada nunca está totalmente perdido, e nenhum motivo será suficiente para pensar em amarrar a corda no pescoço. Ao invés disso, morra de rir, morra de amores, morra de surpresa, se mate de trabalhar, mate o tempo, se afogue em lágrimas, se afogue na cachaça e na cerveja (durante uma noite só, tá, e vá de taxi – volte só se você lembrar), mate alguem de paixão e morra assim também, você não faz idéia do quanto é boa a vida depois dessas mortes. Este sim é o jeito certo de cometer suicídio. Morra pra essa vida que te daria motivos para pensar em morrer, que o paraíso que vem depois, quando se tem esperança, é muito bom. Você é uma espécie em extinção, portanto, não queira acelerar um processo que é inevitável, até porque, a gente mal nasce e já começa a morrer.

 

Agora ou depois, o fim de todo mundo é igual, seja a sete palmos do chão, seja virando pó (ou purpurina). E a vida é muito (MUITO mesmo) pra se resumir e acabar em uma rave, num pulo da ponte, ou numa insana escalada para dançar num poste de luz. Pensando bem… essa ultima até é uma boa, gostei da idéia, já que a mulher não morreu… eu posso também! (Não liguem o dia que aparecer no jornal: menina louca de 18 anos é resgatada pelos bombeiros – ui, delícia – dançando em cima de um poste de luz, na região metropolitana do estado do RJ.. ADOREI!)

Fonte: Rabiscos.: O jeito certo de cometer suicídio..