A ( )vida; ( )morte é bela! (pt1)

Inevitável! Quando alguém morre sempre rola aquele consolo “Tsc… Poisé. Foi dessa para uma melhor”. Mas quem realmente acredita nisso? Mais uma vez dependerá da nossa filosofia de vida.

Para discutirmos se morrer é estar melhor duas hipóteses devem ser abordadas. As primordiais, creio eu, são: 1) há vida após a morte? 2) Não havendo, viver vale o fardo? Em outras palavras, a morte liberta?

Partindo da primeira hipótese, vejamos então a visão de morte segundo algumas filosofias. (fonte: Cemitério Ecumênico João XXIII – Content )

Budismo – Para os budistas, a morte é a única certeza. “Se nos lembrarmos da inevitabilidade da morte, geraremos o desejo de usar nossa preciosa vida humana de modo significativo”, diz Ani-la Kelsang Pälsang, do Centro Budista Mahabodhi. Acreditam na reencarnação. “A única coisa que passa de uma vida para outra é nossa mente sutil. Como um pássaro mudando de ninho em ninho. Buda compara o processo de morrer e renascer com o ciclo de dormir, sonhar e despertar”, diz Ani-la. Toda ação em vida influencia decisivamente na vida futura. Desapegados das coisas materiais, não se preocupam muito com o cadáver, portanto não são contra cremação.

(Que tédio!)

Candomblé – Os seguidores do candomblé acreditam na continuidade da vida por meio da
continuação da força vital. O ORI volta dentro da mesma família, mas em outro corpo. O corpo do iniciado no candomblé geralmente é velado no terreiro. O rito funerário, chamado de axexe, começa depois do enterro e costuma ser longo, podendo durar vários dias. A sociedade é chamada para participar do axexe, rito pelo qual o espírito do morto é encaminhado para outra terra. Na ocasião, os assentamentos -elementos simbólicos e materiais- são quebrados e jogados em água corrente.

(Entendi que tu vira uma espécie de fantasma. Parece mais interessante. Precisamos mais detalhes.)

Catolicismo – Os seguidores do catolicismo acreditam que a morte é o batismo definitivo, o caminho para a vida eterna. Para eles, corpo e alma são uma só coisa. A reencarnação não é aceita.

(No céu, com um tanto de santo te vigiando, rotina celeste, nem deve ter parede no banheiro. Sei não)

Espiritismo – Para os seguidores do espiritismo, a morte não existe. O espírito usa o corpo físico como instrumento para se aprimorar. “O corpo é uma veste e a reencarnação serve para o espírito evoluir”, diz Ana Gaspar, das Casas André Luiz. Quando o corpo morre, o espírito se desliga e fica no mundo espiritual estudando e se preparando para uma nova encarnação. Com a reencarnação, o espírito adquire experiências e evolui em outro corpo sucessivamente.

(Téééédio!)

Islamismo – A morte é uma passagem desta vida para outra eterna. “Quem fizer o bem será julgado por Deus e vai para o paraíso. Quem fizer o mal também será julgado e irá para o inferno”, diz Abdul Nasser, secretário-geral da Liga Juventude Islâmica do Brasil. O corpo após a morte não significa mais nada, mas a alma continua tendo valor. A morte se dá, portanto, quando o corpo se separa da alma.

(Parecido com o catolicismo. Só imagino um céu mais machista e com mais mulheres de burca disponíveis. Com a “vantagem” de que ainda reza a lenda das virgens para os suicidas de Allah.)

Judaísmo – A morte não é o final da vida, apenas o fim do corpo, da matéria. “A verdadeira pessoa, que é a alma, é eterna”, diz o rabino Avraham Zajac. Os seguidores das leis judaicas acreditam na existência de outro mundo, para onde as almas vão, chamado de olam habá (mundo vindouro). No entanto, a alma pode voltar para a terra, num outro corpo, para completar sua missão (reencarnação).

(Ou seja, ou é o céu dos rabinos ou volta pra penar denovo. Cruel!)

Protestantismo – Os protestante acreditam que a morte é apenas uma passagem para outra vida e não aceitam a reencarnação. Para os protestantes, existe o céu e o inferno. O julgamento ocorre não pelas ações da pessoa em vida, mas pela fé que ela teve na palavra de Deus e pelo amor ao Senhor.

(Irmão, acreditou em Deus, pagou o dízimo, o resto vale tudo. Imagina como deve ser esse céu? Uma mistura de Rio de Janeiro com Brasília e Sodoma com Jerusalém. Tá danado!)

Agnósticos e ateus – Aqui dispenso meus próprios parenteses por falar por mim mesmo. De maneira simples acho que existe um consenso entre as correntes de que o que o conhecimento pode nos responder é que, morreu, cabô! Mas há espaço para outras teorias.

É claro que, respeitador da morte que sou, enquanto entidade e personificação do fim que ela é, pretendo nas linhas que seguirão nos próximos posts, expor melhor a hipótese 2 do início da discussão, de maneira ao mesmo tempo poética e amarga, imparcial e realista.

Viver vale a pena? A morte liberta?

Obs¹ Os parenteses em itálico são de pilulamarela

Obs² Este post continua no próximo capítulo

Obs³ Pra finalizar, tradicionalmente, vou colocar um vídeo. Desta vez, já que falamos em orixá, vou colocar um de Omulu. Seja transe, seja outra coisa, é maneiro o tamborzão.