Mais uma da série CVV e eu

21:01 Carolina – Rio Preto.SP:
21:01 pilulamarela: boa noite
21:01 Carolina – Rio Preto.SP: Como está você?
21:02 pilulamarela: eu diria normal, mas hj acordei pior
21:02 Carolina – Rio Preto.SP: algo aconteceu que vc não acordou bem…
21:03 pilulamarela: eh rotineiro
21:03 Carolina – Rio Preto.SP: costuma acontecer…
21:04 pilulamarela: a primeira vez que me lemro eu devia ter uns 7 anos de idade
21:04 pilulamarela: ultimamente tem sido em um grau bem maior
21:05 Carolina – Rio Preto.SP: agora está pior do que quando era mais novo…
21:05 pilulamarela: nao precisa ter um motivo especial para eu acordar assim, simplesmente acordo
21:06 Carolina – Rio Preto.SP: acorda de mau humor mesmo que não encontre uma razão para isso…
21:06 pilulamarela: bem pior, descobri muitas verdades dps q amadureci
21:06 Carolina – Rio Preto.SP: algumas verdades foram surgindo durante sua vida…
21:07 pilulamarela: na verdade eu tenho razões,mas elas nao parecem justificaveis para a maioria
21:07 Carolina – Rio Preto.SP: mas para você são razões verdadeiras e importantes…
21:08 pilulamarela: certamente
21:08 Carolina – Rio Preto.SP: e que precisariam ser respeitadas pelas outras pessoas
21:09 Carolina – Rio Preto.SP: ja q o sentimento é seu…
21:09 pilulamarela: sim. e por uma questão de liberdade e respeito ao outro.
21:10 Carolina – Rio Preto.SP: vc diz q cada um tem o direito de ter suas próprias opiniões…
21:10 Carolina – Rio Preto.SP: Concordo
21:11 pilulamarela: e eu poderia por exemplo preferir simplesmente não existir
21:11 Carolina – Rio Preto.SP: sua opção poderia ser não estar por aqui…
21:12 pilulamarela: sim. pq não?
21:12 pilulamarela: não estar em lugar algum
21:12 Carolina – Rio Preto.SP: seria uma escolha sua…
21:13 pilulamarela: certo. e essa escolha está se tornando cada dia mais plausível
21:14 Carolina – Rio Preto.SP: vc pensa q de repente pode fazer esta escolha…
21:14 pilulamarela: claramente. fico planejando e reconsiderando sobre a questão constantemente.
21:15 pilulamarela: quero ter muita certeza da minha escolha
21:16 Carolina – Rio Preto.SP: tem uma ideia dominante mas que, na sua opinião, precisa ser bem analisada…
21:16 pilulamarela: exato
21:17 pilulamarela: mas certos dias, como hj, sinto muita coerencia em faze-lo
21:18 Carolina – Rio Preto.SP: às vezes vc chega a ter a certeza de que é isto que quer…
21:18 Carolina – Rio Preto.SP: e em outros dias reconsidera…
21:19 pilulamarela: sim
21:19 Carolina – Rio Preto.SP: e a dúvida persiste …
21:20 pilulamarela: aham
21:21 Carolina – Rio Preto.SP: e tudo isto faz com que o mau humor esteja sempre presente , neh?
21:22 pilulamarela: quase o dia inteiro
21:23 Carolina – Rio Preto.SP: Compreendo que seus pensamentos recorrentes causem isto…
21:24 pilulamarela: entao… tem algum conselho? oq vc faz para se mater de pé?
21:27 Carolina – Rio Preto.SP: Conselho não tenho … Cada um tem sua experiência de vida e me mantenho de pé vivenciando-as …
21:28 pilulamarela: em quem se inspira filosoficamente?
21:28 Carolina – Rio Preto.SP: No Universo
21:29 pilulamarela: digo… filosofia de vida… o universo é algo que nem compreendemos. vamos nos ater nas dores humanas.
21:29 Carolina – Rio Preto.SP: buscar tirar aprendizagens de todo acontecimento…
21:31 pilulamarela: Neste caso, qual foi seu maior apredizado? dê um exemplo
21:31 Carolina – Rio Preto.SP: Vc dizia que precisa encontrar algo que o mantenha de pé…
21:31 Carolina – Rio Preto.SP: Gostaria de falar sobre você…
21:32 Carolina – Rio Preto.SP: Disse que descobriu varias verdades … Podia falar sobre isto…
21:32 pilulamarela: Nada, minha vida é ruim pacas. Ninguem que saber dela, não tiro sus razões, tb não quero saber a deles.
21:33 pilulamarela: A morte de Deus foi algo marcante. A discoberta que seu universo funciona de forma alógica transformou meu ser.
21:34 Carolina – Rio Preto.SP: Esta foi uma verdade que o modificou
21:35 pilulamarela: nao te modificaria?
21:36 Carolina – Rio Preto.SP: não sei avaliar isto…
21:36 pilulamarela: deveria
21:36 pilulamarela: já pensou em um mundo sem Deus?
21:37 pilulamarela: Desde o século XVII vem sendo um hipótese q se confirma a cada dia.
21:38 Carolina – Rio Preto.SP: e com a qual vc concorda creio que através de estudos e considerações a respeito…
21:39 pilulamarela: claro. além de não notar nada divino ao meu redor.
21:39 Carolina – Rio Preto.SP: respeito seu ponto de vista…
21:40 pilulamarela: só isso?
21:40 Carolina – Rio Preto.SP: sim
21:40 pilulamarela: e agora?
21:40 Carolina – Rio Preto.SP: como assim?
21:41 pilulamarela: fim de papo?
21:41 Carolina – Rio Preto.SP: continuo aqui para continuar ouvindo suas opiniões …
21:42 pilulamarela: pra isso eu tenho um blog
21:42 pilulamarela: https://pilulamarela.wordpress.com/
21:42 pilulamarela: a filosofia do suicídio
21:44 Carolina – Rio Preto.SP: no seu blog coloca reflexões sobre a filosofia do suicidio
21:44 pilulamarela: sim
21:44 Carolina – Rio Preto.SP: pelo que viemos conversando é um assunto que o fascina…
21:46 pilulamarela: É… e nesse minuto vc tá afim de ir pra balada, encontrar alguem que te faz melhor e se perguntando… pq esse cara não puxa logo o gatilho?
21:46 pilulamarela: falei besteira?
21:47 Carolina – Rio Preto.SP: vc se pergunta se falou algo inadequado …
21:47 pilulamarela: sim, na frase anterior
21:48 Carolina – Rio Preto.SP: entendo que tem todo direito de fazer sua avaliação…
21:49 pilulamarela: vcs são muito frios. acreditam mesmo ajudar alguem com o gatilho na mão? não é isso que fazem os pscanalistas?
21:50 pilulamarela: o lance de vcs é psicanalise? responda por favor.
21:50 Carolina – Rio Preto.SP: Não temos nenhuma intenção de profissionalismo. Somos leigos neste assunto.
21:51 Carolina – Rio Preto.SP: A disponibilidade do CVV se refere a proporcionar uma oportunidade para alguém falar de seus sentimentos quando está só e vivenciando uma crise emocional…
21:52 Carolina – Rio Preto.SP: Exercitamos atitudes reais e verdadeiras como aceitação, compreensão ,respeito e confiança…
21:53 pilulamarela: TRaduzindo… psicanalise por leigos?
21:53 pilulamarela: Vc é estagiária de psciologia?
21:53 pilulamarela: aposto
21:54 Carolina – Rio Preto.SP: Não sou. Sou voluntária do CVV preparada através de curso de formação e com toda disposição de compreender e valorizar a vida de todo e qualquer ser humano…
21:55 pilulamarela: Alguem já puxou o gatilho numa conversa? Isto te fascina não é?
21:56 Carolina – Rio Preto.SP: Vc gostaria de saber as experiências que vivenciamos em atendimentos…
21:57 pilulamarela: sim sim… rola? É pra me ajudar.
21:57 Carolina – Rio Preto.SP: Uma das características do trabalho é o sigilo…
21:59 pilulamarela: Estes papos pelo CVV nunca são muito produtivos, exceto pelo q falo.
21:59 Carolina – Rio Preto.SP: Não lhe agrada a forma de atender dos voluntarios do CVV…
22:00 pilulamarela: nao sei. muito cheio de protocolo. creio que deveriam ser mais humanos
22:02 pilulamarela: muito podem ser idiotas comuns, mas muitos podem realmente estarem a ponto de fazer algo, e o que el busca na verdade é um motivo pra prosseguir. Aui vcs não o oferecem.
22:04 Carolina – Rio Preto.SP: acreditamos que o trabalho é valorizar a vida e fazer com que cada um que nos liga chegue a esta conclusão
22:06 pilulamarela: então tá meu bem
22:06 pilulamarela: boa noite
22:06 pilulamarela: obrigado por tentar
22:06 Carolina – Rio Preto.SP: Boa noite!
22:06 Carolina – Rio Preto.SP: Sempre que quiser estaremos disponiveis para “ouví-lo” !!!
22:07 pilulamarela: entendi
22:07 pilulamarela: Proximo!!!
22:07 Carolina – Rio Preto.SP: Um abraço fraterno

Anúncios

Hoje eu acordei meio Nietzsche

German philosopher Friedrich Nietzsche posing ...

German philosopher Friedrich Nietzsche posing at the time of his writing ‘Also sprach Zarathustra’. Español: Retrato del filósofo alemán Friedrich Nietzsche, alrededor del tiempo en que escibió su obra ‘Así habló Zaratustra’. (Photo credit: Wikipedia)

Sabe quando a gente acorda naqueles dias? Não, porra! Eu não menstruo, tá me estranhando? To falando de quando você desperta naquelas manhã em que pensa quanto gostaria de ter acordado duro e gelado? Eu sei. Até eu acho isso meio forte, mas é frequente. Talvez eu tenha mesmo problemas? Ainda acho que não. Alguém sabe do que estou falando? Bom… fodas! Hoje eu acordei meio Nietzsche (num tem uma parada assim no facebook?). Então se não absorveu ainda o estado de espírito, veja o documentário da BBC – Humano, demasiado humano. Aí abaixo.

Como sou metido a besta, vou tentar resenhar. Vou pular a introdução e os dados técnicos acerca do documentário (vide rodapé youtube). Direto ás análises filosóficas, vamos separar alguns temas.

“Toda verdade na fé é infalível. Ela cumpre o que o crente espera encontrar nela. Porém, não oferece a mínima base para estabelecer uma verdade objetiva. Aqui, os caminhos dos homens se dividem. Se queres alcançar a paz e a felicidade, então crês. Se queres ser um discípulo da verdade, então busca.” (Carta à irmã Elizabeth)

Talvez o mais importante, a crise da fé, a revelação das dores do mundo moderno. Creio que a partir da revolução que Darwin trouxe em sua teoria, o homem pensante, o “homem absurdo” (Camus, Albert) se põe diante do maior dilema de sua vida: Manter Deus vivo em seu coraçãozinho, ou, matar a Deus e viver com a culpa e o vazio do mundo alógico, absurdo, demasiadamente humano sem Ele. Este embaraço, matar ou não, imagine a cena, ponha-se no lugar de pilatos. Está em suas mãos. Lavá-las ou não? Puxa o gatilho na nuca do Cristo (os romanos foram mais brutais em suas técnicas de execução) ou faz como “o primeiro vida loka da história, […](que) aos 45 do 2º, arrependido/salvo e perdoado. É, Dimas, o bandido”? Em certo trecho o documentário chega a questionar até que ponto, para Nietzsche, determinar a morte do divino o condenou a própria loucura, tamanha a dor que se impõe por isso.

A verdade de Sileno:  “A melhor coisa é não ter nascido. A segunda melhor é morrer logo.” (O Nascimento da Tragédia)

Sinto que não tive uma juventude dura como a de Nietzsche, o que talvez lhe servisse de prerrogativa para sentimentos que  nos são comuns, mas agora parece claro. Ele foi uma criança feliz, depois só desgraça. Garoto míope, se desenvolveu em um tipo esquisitão. Lutou na guerra como médico, onde pegou altas doenças. Parecia buscar algum alento para prosseguir em “Vontade de Poder” (o que me soa mais como “querer não é poder”). Nesta tentativa, buscava superar-se através do autoconhecimento, como terapia, meio que antecedendo algo que Freud se aprofundaria mais tarde. Vislumbrou em Zaratustra algo que hippies e punks pretenderam falidamente apoiar 100 anos depois: abandonar o sistema e viver na montanha.

No meu caso, o papel de Caifás vestiria melhor que a de Pilatos. Minha relação com o divino, antes mesmo de Darwin, já seria problemática por um simples motivo: incompatibilidade de filosofias. Ora, Cristo veio para salvar a humanidade. Eu, quero que ela se exploda. Vou mais longe, eu diria que se nossas filosofias, mais que incompatíveis são opostas, então, por coerência, além de romper com o cristianismo deveria também tornar-me anti-cristo. Mas uma coisa me difere. Minha vontade de poder ser Zaratustra me parece palpável ainda.

Quer ser feliz no amor? Schopenhauer ajuda.

Quanto mais procuro idéias, mais me convenço de que o homem moderno, detentor de seu aparato técnico-científico, controlador de si e até mesmo conquistador de relativo domínio sobre a natureza, soberano de todas as espécies que habitam a Terra, este homem capaz de levar o bem-estar-social a todos os confins do planeta através de seu pensamento redentor (mais conhecido como neoliberalismo) é o mesmo que orienta sua noção de felicidade nos mais primitivos instintos animais. 15 mil anos depois, o homem ainda é o mais animal dos animais.

Há muito me dizem que o homo sapiens é o mais evoluído intelectualmente entre as outras espécies. Sobre isto tenho muitas dúvidas (ainda acho que baleias, golfinhos, elefantes e gatos o são). Mas conquistar a racionalidade para depois ignorá-la por completo em detrimento de instintos primitivos me fazem questionar essa pretensa superioridade.

Hoje a coisa é mais sinistra. Para muitos as interações com as diversas mídias podem potencializar nossa ignorância. O Bicho-Papão dos socialistas de outrora, o American Way of Life dos tempos de Ford, depois de se apaixonar, casar e ter filhos com a virtuosa Dama Revolução Tecno-científica (Geni) deram início à família globalização. Hoje eles se ocupam, entre outras coisas, de criarem desejos para nossas mentes sedentas de amor, nos aproximando ainda mais de nossos irmãos bovinos, não por devorá-los, mas por pastar e ruminar como tais.

Segue abaixo o link para um post muito interessante que encontrei nessa ferramenta internet (que não renego de maneira alguma. O alienado muitas vezes está do outro lado do vídeo, não na rede em geral) que contem 3 vídeos sobre uma visão mais racional do amor. Por posts assim que tento desesperadamente me aproximar de certos caras como Diógenes de Sinope, Camus, Schopenhauer… e menos do homo ocidentalis

Filosofia para o Dia-a-Dia: Schopenhauer e o Amor – Blog do Nicholas.

Estes posts, se analisados em conjunto, vão delineando uma certa filosofia de via que já começa a ser reconhecida. Por aí passa a filosofia do suicídio. Devemos discutir o outro lado da morte voluntária, alías, esta sim ato estritamente racional e humano.

Apelando para o CVV. A primeira vez a gente nunca esquece.

Navegando por esta rede imensa, me deparei com o seguinte texto. Muito legal! Há muito já tinha a vontade de iniciar uma relação com o CVV e compartilho agora minha primeira vez. Confesso que não achei nada produtivo, mas que quiser tentar é só acessar: http://www.cvv.org.br/ Coloquei numa categoria separada pois pretendo dar seguimento a esta relação.

O suicida, o louco no supermercado e um poema repetido.

de http://niikwon.blogspot.com.br

– CVV. Centro de Valorização da Vida. Em que posso ajudá-lo?
– Não sei. Nem sou suicida. Nem sei por que coloquei o revolver na cama. Eu liguei…, eu liguei…, porque queria fazer o curso do CVV.
– Às três da manhã?
– Não é que…, é… to triste pra caralho, aí lembrei do CVV. Acho que isso é quase um trote. (Se eu fosse você, eu diria…).
– Pelo que entendi você está, às três da manhã, com um revolver na cama, passando um trote para o CVV?

Mas não dará tempo.

Wellington Cruvinel
Enviado por Wellington Cruvinel em 05/01/2011
Código do texto: T2710703

Agora vamos ao fatídigo diálogo da noite:

Octávio CVV CVV Boa noite.

pilulamarela: oi, boa noite. eh minha primeira vez aqui. não sei bem por onde começar

Octávio CVV Fique à vontade. Estamos aqui para te ouvir.

pilulamarela: é q tenho uma visão vazia da vida. as vezes fico tentando ver razoes pra prosseguir vivendo

Octávio CVV Digamos que não consegue ver o sentido da própria vida.

pilulamarela: sim, talvez você possa me ajudar a ter uma boa razão ao menos. está disposto?

Octávio CVV Sim, vamos lá…vamos conversar.

pilulamarela: já passou por isso?

Octávio CVV Bom….todos temos nossos altos e baixos, o que você acha?

pilulamarela: sinto q meus altos já passaram, o auge, daqui pra frente é um futuro meio melancólico

Octávio CVV Certo…. tem alguma coisa te incomodando, quer me contar?

pilulamarela: nada em especial, digo… nenhuma decepção amorosa, culpa ou coisa assim. bem… como se o sentido da vida não fosse algo especial, mais que isso, essencial.

Octávio CVV Sei…nada de concreto. Mas este vazio está latente.

pilulamarela: sim, é algo concreto sim, filosófico diria, a ponto de pensar em suicídio quase diariamente, alias, já o planejei como plano B.

Octávio CVV Então esta falta de sentido, de ânimo tem levado você a querer acabar com sua vida?

pilulamarela: sim, penso nisso de maneira filosófica, não neurótica. tem sido forte.

Octávio CVV Como é para você notar esse desejo de suicídio aumentar?

pilulamarela: é estranho talvez por um instinto de preservação da vida e uma cultura negativa sobre o tema, mas me parece algo racional frente a desesperança

Octávio CVV Ou seja, por um lado você acredita ser o suicídio a melhor alternativa.

pilulamarela: uma alternativa bastante aceitável no meu caso. É bem pessoal. você… consegue me convencer q viver e a melhor alternativa?

Octávio CVV Entendo que a ideia de suicídio cresça em você à medida que não vê motivação para viver, aliado ao fato de vê-lo como uma saída possível.

pilulamarela: hehehe está me apoiando na ideia? rs. interessante

Octávio CVV Você conclui de nossa conversa que o estou apoiando? Estamos aqui para te ouvir. Esse é o nosso trabalho.

pilulamarela: vocês não tentam convencer q viver é melhor?

Octávio CVV E você acha que deveríamos? O que realmente acha que quer?

pilulamarela: acho q não deveriam. você ta certo

Octávio CVV Para nós do CVV, o importante é e sempre será o que você acha, o que você nos tem a dizer.

pilulamarela: isso não é uma critica, só quero entender melhor… ouvindo, qual é o objetivo? É um lance de psicanálise?

Octávio CVV Veja bem, estamos aqui ao seu lado, sempre que nos procurar, independente do que tiver para falar. Aqui você não será julgado.

pilulamarela: mas em que você acha q isso ajuda um suicida em potencial?

Octávio CVV Eu é que lhe pergunto. Acha que estamos te ajudando? Creio poder responder melhor que nós.

pilulamarela não. pois me ouvindo não me convenceu de que viver é melhor que morrer

Octávio CVV Ah, certo…compreendi sua opinião. Entrou aqui com o objetivo de que alguém lhe fizesse desistir do suicídio?

pilulamarela: na verdade não. mas esperava sim ouvir argumentos contrários ao suicídio. me enganei em entrar aqui?

Octávio CVV Você sempre será bem vindo, pode ter certeza! Nós o valorizaremos sempre.

pilulamarela: tudo bem que aí fora ninguém está preocupado em ouvir… mas não me sinto mais valorizado por você estar aí me fazendo isso, afinal, você pode muito bem estar me achando um lunático, chato de galocha

Octávio CVV Entrar aqui e não ter ouvido o que queria, não se sentir mais valorizado, te decepciona?

pilulamarela: não me sentir valorizado me decepciona muito. A você não? não ser valorizado é um dos motivos de muitos não se encaixarem neste mundo

Octávio CVV Não se sentir valorizado pelos outros, você quer dizer? Ou por si próprio?

pilulamarela: pelos outros, mas não os culpo. eu realmente sou bem inútil. admito minha derrota. e isso até me fortalece. pior é ser um looser iludido

Octávio CVV Então embora sinta que as pessoas não lhe dão importância, pelo que me conta você mesmo não se acha importante, é isso?

pilulamarela: sim. poucas pessoas são importantes. a grande maioria só faz peso na Terra, inclusive eu. to tentando mudar. rs

Octávio CVV Certo… Está tentando mudar?

pilulamarela: É. Ser um inútil diferente,menos nocivo, ao estilo dos cínicos. Saca cinismo, Diógenes, etc?

Octávio CVV Então está tentando mudar…a situação não lhe agrada e quer lutar?

pilulamarela: aí é q está. não sei se quero lutar. voltamos a estaca zero, rs. vale a pena lutar? eu te pergunto;

Octávio CVV você acha que vale?

pilulamarela: perguntei primeiro

Octávio CVV Aqui é o seu espaço. Percebo que busca muito minha opinião. O que pretende?

pilulamarela: mas o que realmente importa pra mim agora é saber se o que eu acho faz sentido pra alguém, eu já falo muito sozinho

Octávio CVV Busca respostas para o sentido da vida, não?

pilulamarela: sim. tá sabendo de algo que eu não sei? conta aí.

Octávio CVV Respondendo ao seu anseio de saber se o que você acha faz sentido para alguém: aqui no CVV você sempre fará sentido para nós, sempre será importante. Afinal é por isso que estamos aqui.

pilulamarela: veja se isso faz sentido: “De que adianta plantar bigorna segunda a noite, se quarta-feira rinocerontes passam pra dançar tango na sala sem pé nem cabeça”

Octávio CVV O que esta frase representa para você?

pilulamarela: não vejo sentido algum nela. Você vê?

Octávio CVV Parece que não há.

pilulamarela: a ha!!!! você disse: “aqui no CVV você sempre fará sentido para nós. Afinal é por isso que estamos aqui.” tá gravado, rs

Octávio CVV rs. Tenho certeza que entendeu o que disse.

pilulamarela: hahaha acho q tá bom né? posso voltar?

Octávio CVV Claro, sempre! Olha, foi um prazer falar com você. Sinceramente. Volte sempre que quiser. Torço por você.

pilulamarela: Ainda penso em me matar, mas não vai ser por agora. eu passo para avisar

Octávio CVV Certo…como já disse nós estaremos aqui para lhe ouvir.

pilulamarela: t+

Octávio CVV Até! Tenha uma ótima noite! Um grande abraço e até breve!

 

Gostei do “até breve!” em sua despedida. Oras… Conscientemente ou não (claro que sim), Octávio sabe que a alma moribunda do suicida irá voltar a contar com este cidadão praticamente anônimo.  Não porque a morte é uma mulher sedutora, madura, redentora, mas porque é assustadoramente enigmática. Em sua sabedoria, o ouvinte do outro lado do chat não queria, nem poderia me dar uma resposta que nem ele, nem eu em minha tentativa vil de fazer humor poderíamos responder àquela ora sobre os mistérios da (auto) pena capital.

Contudo, não acredito que o CVV seja o lugar do suicida racional. Talvez o dos mais histéricos, não o meu.

A ( )vida; ( )morte é bela! (pt1)

Inevitável! Quando alguém morre sempre rola aquele consolo “Tsc… Poisé. Foi dessa para uma melhor”. Mas quem realmente acredita nisso? Mais uma vez dependerá da nossa filosofia de vida.

Para discutirmos se morrer é estar melhor duas hipóteses devem ser abordadas. As primordiais, creio eu, são: 1) há vida após a morte? 2) Não havendo, viver vale o fardo? Em outras palavras, a morte liberta?

Partindo da primeira hipótese, vejamos então a visão de morte segundo algumas filosofias. (fonte: Cemitério Ecumênico João XXIII – Content )

Budismo – Para os budistas, a morte é a única certeza. “Se nos lembrarmos da inevitabilidade da morte, geraremos o desejo de usar nossa preciosa vida humana de modo significativo”, diz Ani-la Kelsang Pälsang, do Centro Budista Mahabodhi. Acreditam na reencarnação. “A única coisa que passa de uma vida para outra é nossa mente sutil. Como um pássaro mudando de ninho em ninho. Buda compara o processo de morrer e renascer com o ciclo de dormir, sonhar e despertar”, diz Ani-la. Toda ação em vida influencia decisivamente na vida futura. Desapegados das coisas materiais, não se preocupam muito com o cadáver, portanto não são contra cremação.

(Que tédio!)

Candomblé – Os seguidores do candomblé acreditam na continuidade da vida por meio da
continuação da força vital. O ORI volta dentro da mesma família, mas em outro corpo. O corpo do iniciado no candomblé geralmente é velado no terreiro. O rito funerário, chamado de axexe, começa depois do enterro e costuma ser longo, podendo durar vários dias. A sociedade é chamada para participar do axexe, rito pelo qual o espírito do morto é encaminhado para outra terra. Na ocasião, os assentamentos -elementos simbólicos e materiais- são quebrados e jogados em água corrente.

(Entendi que tu vira uma espécie de fantasma. Parece mais interessante. Precisamos mais detalhes.)

Catolicismo – Os seguidores do catolicismo acreditam que a morte é o batismo definitivo, o caminho para a vida eterna. Para eles, corpo e alma são uma só coisa. A reencarnação não é aceita.

(No céu, com um tanto de santo te vigiando, rotina celeste, nem deve ter parede no banheiro. Sei não)

Espiritismo – Para os seguidores do espiritismo, a morte não existe. O espírito usa o corpo físico como instrumento para se aprimorar. “O corpo é uma veste e a reencarnação serve para o espírito evoluir”, diz Ana Gaspar, das Casas André Luiz. Quando o corpo morre, o espírito se desliga e fica no mundo espiritual estudando e se preparando para uma nova encarnação. Com a reencarnação, o espírito adquire experiências e evolui em outro corpo sucessivamente.

(Téééédio!)

Islamismo – A morte é uma passagem desta vida para outra eterna. “Quem fizer o bem será julgado por Deus e vai para o paraíso. Quem fizer o mal também será julgado e irá para o inferno”, diz Abdul Nasser, secretário-geral da Liga Juventude Islâmica do Brasil. O corpo após a morte não significa mais nada, mas a alma continua tendo valor. A morte se dá, portanto, quando o corpo se separa da alma.

(Parecido com o catolicismo. Só imagino um céu mais machista e com mais mulheres de burca disponíveis. Com a “vantagem” de que ainda reza a lenda das virgens para os suicidas de Allah.)

Judaísmo – A morte não é o final da vida, apenas o fim do corpo, da matéria. “A verdadeira pessoa, que é a alma, é eterna”, diz o rabino Avraham Zajac. Os seguidores das leis judaicas acreditam na existência de outro mundo, para onde as almas vão, chamado de olam habá (mundo vindouro). No entanto, a alma pode voltar para a terra, num outro corpo, para completar sua missão (reencarnação).

(Ou seja, ou é o céu dos rabinos ou volta pra penar denovo. Cruel!)

Protestantismo – Os protestante acreditam que a morte é apenas uma passagem para outra vida e não aceitam a reencarnação. Para os protestantes, existe o céu e o inferno. O julgamento ocorre não pelas ações da pessoa em vida, mas pela fé que ela teve na palavra de Deus e pelo amor ao Senhor.

(Irmão, acreditou em Deus, pagou o dízimo, o resto vale tudo. Imagina como deve ser esse céu? Uma mistura de Rio de Janeiro com Brasília e Sodoma com Jerusalém. Tá danado!)

Agnósticos e ateus – Aqui dispenso meus próprios parenteses por falar por mim mesmo. De maneira simples acho que existe um consenso entre as correntes de que o que o conhecimento pode nos responder é que, morreu, cabô! Mas há espaço para outras teorias.

É claro que, respeitador da morte que sou, enquanto entidade e personificação do fim que ela é, pretendo nas linhas que seguirão nos próximos posts, expor melhor a hipótese 2 do início da discussão, de maneira ao mesmo tempo poética e amarga, imparcial e realista.

Viver vale a pena? A morte liberta?

Obs¹ Os parenteses em itálico são de pilulamarela

Obs² Este post continua no próximo capítulo

Obs³ Pra finalizar, tradicionalmente, vou colocar um vídeo. Desta vez, já que falamos em orixá, vou colocar um de Omulu. Seja transe, seja outra coisa, é maneiro o tamborzão.

Deus em questão (pt1)

Eu acredito, e imagino que alguém mais influente já se atreveu a especular sobre o tema, que o estado depressivo é algo inerente ao homem moderno. Considerando a felicidade a antítese da depressão, pode a crença em Deus influenciar estes estados de espirito? Ou seja, a minha crença ou não em algo que pode redimir todas as mazelas da humanidade afeta como enxergo o mundo e passo meus dias?

Estas e outras questões serão tratadas em um excepcional documentário que tive a sorte de encontrar na internet intitulado “Deus em Questão – Sigmund Freud x C.S Lewis”, documentário dividido em 4 partes cujo compartilharei semanalmente aqui para discutirmos (pretendo).

Lembrando aos leitores que este não é um blog ateísta ou outras correntes religiosas.

Reflitam